Posicionamento sobre a liberação da venda de álcool líquido 70%

  • Compartilhar Facebook
  • Compartilhar Twitter
  • Compartilhar Google +
24/03/2020

álcool líquido 70 posicionamento

Na última sexta-feira (20), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, no Diário Oficial da União, uma portaria que suspende uma resolução de 2002, da própria instituição, que proibiu a venda do álcool 70% líquido fora de farmácias e lojas de material hospitalar.

A proibição da venda desse produto, fora desses estabelecimentos e em frascos com mais de 500 ml, se deu justamente porque as ocorrências de acidentes com queimaduras são muito altas, uma vez que o álcool 70% líquido é altamente inflamável e se espalha com muita facilidade em qualquer superfície.

Nos últimos 10 anos, mais de 3 mil crianças de 0 a 14 anos morreram em decorrência de acidentes com queimaduras, e quase 221 mil foram hospitalizadas por este motivo, sendo gastos mais de R$195 milhões com essas internações.

No contexto de quarentena que vivemos, as crianças estão passando mais tempo dentro de casa – o que naturalmente aumenta as chances de acidentes. Em 2017, por exemplo, mais de 40% deles aconteceram no período de férias – cujo cenário é semelhante ao período de quarentena. Com as crianças em casa o tempo todo, tendo acesso ao álcool líquido 70%, caso aconteça algum acidente, os pais ou responsáveis encontrarão os hospitais sobrecarregados de pacientes diagnosticados ou com suspeita de Coronavírus.

A previsão do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é a de que em abril o sistema de saúde entrará em colapso. Ou seja, não haverá leitos nos hospitais – sejam públicos ou privados – para atender a todas as demandas. Se, porventura, a criança (ou qualquer outra pessoa que sofra queimadura) conseguir uma vaga em um leito hospitalar – o que é bem improvável de acontecer -, as chances dela ou de seus familiares se contaminarem pelo COVID-19 são altíssimas. O que em nada colaborará para o declínio da curva de contaminação.

Caso a criança acidentada não consiga um tratamento correto, o que é o mais provável de acontecer atualmente, ela poderá vir a óbito ou ficar com sequelas gravíssimas por toda a vida devido à ausência de tratamento.

Sabemos que há outras opções mais seguras do que o álcool líquido 70% para prevenir a contaminação pelo COVID-19. Como, por exemplo, o hábito de lavar corretamente as mãos com água e sabão (disponíveis em grande parte dos domicílios brasileiros).

Por isso, nós, organizações da sociedade civil, somos contrárias a essa portaria publicada pela Anvisa. À autarquia, solicitamos que revogue essa medida para a preservação da vida de nossas crianças e da população em geral.

Assinam esse posicionamento:

ANDI – Comunicação e Direitos

Associação de Portadores de Sequelas de Queimaduras

Criança Segura

Fundação Cordial

Instituto Alana

Instituto Lucas

Instituto de Políticas e Atenção em Queimaduras

Liga de cirurgia pediátrica da Universidade Paraná

Núcleo de proteção aos queimados

Rede Nacional Primeira Infância

Sociedade Brasileira de Queimadura

4Daddy

Membro de
Patrocinadores Institucionais
Seja nosso parceiro

Seja também nosso parceiro


Desejo receber novidades da Criança Segura e/ou parceiros por e-mail.

Receba nossas notícias!

Cadastre-se para receber a nossa newsletter, ou se preferir baixe o arquivo clicando no botão abaixo.